Itô Ittôsai

Existem pessoas que atingem um status de lendas, Michael Jordan no Basquete, Bach para a música, Meryl Strepp nos cinemas, Pelé e Marta no futebol. No kenjutsu, a arte da espada, não é diferente. Miyamoto Musashi é provavelmente o mais famoso, com romances, filmes e quadrinhos sobre sua vida. Mas não foi o único a estar no panteão, pelo menos não no meu. A maioria dos samurais dos quais tenho um profundo interesse viveram no período Sengoku, Azuchi-Momoyama e início da Era Tokugawa. Creio que pelas condições dessas épocas − constantes guerras entre feudos, a cultura do guerreiro estar no seu ápice e pouca ou nenhuma presença de arma de fogo −, fez surgir inúmeros espadachins de alta qualidade, testados em campos de batalhas e duelos. Um deles é Ito Ittôsai, fundador da escola Ittô-ryu, “estilo de uma espada” ou “estilo de um golpe”.

A versão mais aceita afirma que ele nasceu numa pequena vila costeira de Izu, no ano de 1560, e se chamava Itô Yagoro.  Aos 14 anos, dizem que enfrentou um grupo de bandidos que queriam invadir e roubar a região. Sabendo do seu desejo em ser um grande Samurai, os moradores juntaram um dinheiro que permitiu a ele seguir num musha-shugyo¹, uma jornada intensa de treinamento.

Após praticar por um tempo nas montanhas, foi a Echizen estudar o estilo Toda-ryu com Kanemaki Jisai. Com apenas cinco anos de treino, numa atitude inusitada, virou-se para seu mestre e disse que já tinha aprendido tudo. Surpreso com a postura, Kanemaki resolveu dar uma lição no pupilo e colocá-lo a prova. No entanto, sem sequer conseguir encostar nele, ficou ainda mais intrigado. Então, opta por fazer algumas perguntas a Ittôsai. Satisfeito com as respostas, decidiu ensinar as técnicas secretas do seu estilo.

Tendo absorvido todos os ensinamentos da escola Toda, o jovem continuou sua peregrinação. Durante um retiro num templo zen, ele compreendeu que a mente agia sobre o corpo, e este sobre a espada, de forma que as três eram uma coisa só. Essa unidade podia ser expandida para o Universo, de tal maneira que tudo era um, e um poderia ser vários. Assim, ele resolveu mudar seu sobrenome, passando a se chamar Itô Ittôsai, simbolizando que ele tinha se purificado através da espada única (uma tradução simplória do sobrenome Ittôsai, 一刀斎).

Em toda a sua vida nunca perdeu um embate: venceu 33 duelos, matou 57 inimigos em campos de batalha e venceu 62 combates com bokken, espada de madeira.

Ilustração de uma novela da Era Meiji, 1887, com Ito Ittosai já com idade avançada defendendo-se,
com a tampa de um pote, contra um ainda jovem Miyamoto Musashi. Esse embate é uma lenda que nunca ocorreu.
Autor desconhecido

Um dos mais famosos duelos que teve foi com Xi Guan, um mestre chinês de artes marciais. A fama dele era tamanha que tinha atravessado o oceano e chegado ao Japão, antes mesmo dele aportar no arquipélago a bordo de um navio mercante. Muitas pessoas estavam curiosas, mas receosos de sua habilidade, ninguém ousou desafiá-lo. Ele chegou a fazer diversas demonstrações que impressionavam a todos, a ponto de muitos dizerem que nem Ittôsai seria páreo. Ao saber disso, Ittôsai propôs uma luta com Xi Guan, aonde o mestre chinês poderia usar uma espada de verdade e que ele lutaria apenas com um leque. Guan concordou, mas achou mais prudente usar um bokken, pois tinha certeza de que o venceria. Ao iniciar a luta percebeu seu erro. Lançou uma série de golpes, todos neutralizados pelo simples leque de Ittôsai, que depois acabou imobilizando Xi Guan, encerrando magistralmente o duelo.

Outra passagem célebre de sua vida foi como escolheu seu sucessor. Seus dois mais destacados alunos eram Mikogami Tenzen e Zenki. A história de como Zenki virou seu discípulo é incerta. A mais popular delas conta que ele era um barqueiro que praticava artes marciais e foi derrotado por Ittôsai, virando assim seu aluno.

Já no caso de Tenzen, dizem que durante sua peregrinação (shugyo), Ittôsai alugou uma cabana e colocou diversas placas nas redondezas: “Itô Ittôsai, o melhor espadachim do mundo.” Tenzen, confiante de suas habilidades e incentivado pelos moradoras da região, decidiu enfrentá-lo. Foi até a choupana e chamou-o para lutar. Ao sair, Ittôsai disse:

− “O senhor é o famoso Mikogami Tenzen, muito honrado que veio me ver, escolha a arma que quiser. Lutarei com isto aqui.” – E pegou um pedaço de lenha numa pilha ao lado.

No primeiro ataque, Tenzen foi desarmado e viu o mestre jogar sua espada na pilha de madeira. Atônito, pediu uma revanche. Como tinha acabado de perder sua katana, o mestre ofereceu um Bokken. Dessa vez, Ittôsai decidiu apenas desviar dos ataques. Exausto, Tenzen se rendeu e pediu para ser seu discípulo.

Nessa época, Zenki já era seu melhor aluno. Mesmo com o passar dos anos, a técnica de Tenzen não era superior ao de seu parceiro de treino. Porém, Ittôsai não gostava do caráter de Zenki e decidiu que ambos deveriam duelar para ver quem seria seu sucessor. Reconhecendo que Mikogami não estava no mesmo nível, o mestre passou a noite anterior ensinando-o a técnica de Musoken – “a espada do não pensar”. Era técnica suprema do seu estilo, a qual ele desenvolveu depois de cortar ao meio um assaltante que tentou roubá-lo, logo após ele sair de sua prática de meditação. 

No dia seguinte, Ittôsai coloca os pergaminhos oficiais da escola no local do duelo, deixando claro que o vencedor seria seu sucessor. Deixarei aqui o relato deste duelo, que consta na “Breve Enciclopédia das Artes Marciais” − 本朝武芸⼩伝, escrita em 1714 por Hinatsu Yousuke Shigetaka:

‘” – Eu tenho seguido o caminho da espada desde que eu era uma criança. Ao longo dos anos eu realizei meu desejo de viajar pelo Japão e de testar minhas habilidades. Eu desejo transmitir o meu legado e minha espada a alguém – ‘” Kanewarito² – a destruidora de urnas”. Claramente eu não posso dividir uma espada em dois discípulos. Portanto, eu peço que vocês dois lutem aqui neste campo, usando ao máximo as suas habilidades. O vencedor receberá a “Kanewarito”. Os dois discípulos desembainharam suas espadas e lutaram com grande habilidade e Zenki saiu derrotado.”

Dizem que Tenzen venceu usando justamente o Musoken. A lenda conta que após o desfecho do duelo, Ittôsai entregou sua espada e os pergaminhos da escola Ittô-ryu ao Mikogami e disse:

−  “Eu estou me aposentando do caminho da espada e desejo seguir a vida monástica. Vá e espalhe as lições que lhe ensinei por todo o país.”

E com isso, em 1591, aos 31 anos, ele desaparece dos registros. Algumas histórias dizem que ele se tornou monge zen. Outras, contam que ele continuou em peregrinação nas montanhas, morrendo em 1653.

Mikogami Tenzen seguiu as ordens de seu mestre e disseminou seus ensinamentos. Após ser oficializado como sucessor de Itô Ittôsai, ele passou a se chamar Ono Jirôemon Tadaaki, renomeou o estilo de Ono-ha Ittô-ryu e virou instrutor oficial do Xogum Tokugawa Ieyasu. Essa escola é hoje um dos estilos mais importantes do kenjutsu tradicional, exercendo uma grande influência sobre os kata’s, táticas e estética do Kendo moderno.

Comparado com os samurais do seu tempo, Itô Ittôsai não foi um dos mais filosóficos e adeptos da escrita. Devotou toda a sua energia para desenvolver sua técnica com espada. No entanto, o Mokuroko³ da escola Ittô-ryu: “As 12 regras da Espada – ⼀⼑流兵法⼗⼆ケ條”, que dizem ser escrito por ele, foi preservado e é considerando um dos principais livros sobre o kenjutsu. São poucos pergaminhos oficiais de escolas tradicionais que estão abertos ao público. Alguns dos termos mais conhecidos no Budo vieram desse livro, como: Issoku Ito no maai (distância de um passo para acertar o oponente), “enxergar com os olhos do coração” e “o intervalo que não passa nem um fio de cabelo.  Esse clássico foi recentemente traduzido para o português pelo meu amigo Leandro Diaz Napolitano e está disponível na Amazon (aqui).

Ono-ha Ittô-ryu: demonstração no Nippon Budukan em 2009

Notas:

  1. Musha-Shugyo ( 武者修行 ): é uma espécie de peregrinação e jornada de estudos de um guerreiro. Era algo bem comum entre os samurais, viajar buscando desafios, não somente lutar contra adversários, mas passar por situações extremas que forjassem seu caráter.
  2. Kanewarito: Era o nome da espada de Itô Ittôsai. Significa a “espada que dividiu o vaso”. Diz a lenda, que ele usou a espada para matar bandidos que estavam escondidos dentro de um vaso (Kane: vaso; Wari: rachar, dividir; To: espada)
  3. Mokuroko: pode ser traduzido literalmente como catálogo, no caso de técnicas. No entanto, o significado e as implicações de um Mokuroku se estendem muito além de uma simples lista de golpes e formam uma evidência documental, certificando o nível dos membros do ryu que os usam. Era usado como uma licença de nível de artes marciais, um diploma. O pergaminho Dai-Mokuroku / Menkyo-Kaiden é a classificação mais alta da escola e certifica que o indivíduo é um mestre completo da tradição.Os Mokuroku geralmente estão no formato de Makimono, manuscritos escritos à mão e enrolados em forma de pergaminhos.

8 comentários em “Itô Ittôsai

Adicione o seu

  1. Raramente tomamos conhecimento sobre esses tão interessantes personagens! Sensei tem nos despertado o interesse em estudos alem prática! Muito obrigado!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: